sexta-feira, 20 de julho de 2012

O início


Embora a Ordem dos Advogados do Brasil, muitas vezes através de comissões específicas, disponibilize toda sorte de recursos no sentido de amparar os advogados que iniciam na profissão, é incontestável que aqueles que obtém a inscrição e recebem as respectivas carteiras deparam-se com uma série de dificuldades    durante os primeiros passos na carreira. No que diz respeito à área criminal, mais especificamente, essas dificuldades brotam aos montes, submetendo o jovem advogado a situações e problemas de difícil ou impossível solução.
Depara-se o jovem criminalista, antes de tudo, com a desconfiança por parte dos próprios clientes, que numa primeira impressão aparentam preferir alguém mais velho e experimentado, mas também precisa enfrentar serventuários descontentes, autoridades prepotentes e situações cujas fórmulas de solução não se encontram facilmente. Pergunta-se: O que devo fazer numa prisão em flagrante? Como devo me portar numa audiência? Quanto devo cobrar?  
O jovem advogado criminalista não encontra nos livros muitas das respostas das quais necessita para bem exercer a sua nobre função. Os livros de prática, com o devido respeito, na grande maioria das vezes, se resumem a um aglomerado de modelos de petições, acompanhados de apontamentos quase sempre insatisfatórios, mas a prática da advocacia criminal - e quem a conhece sabe - não se resume ao papel.
A ideia de criar este espaço surgiu justamente das dificuldades e das dúvidas enfrentadas por este jovem advogado, formado em 2010, há aproximadamente um ano e meio, numa faculdade de direito localizada no interior do Estado de São Paulo. Não se busca ensinar, pois ainda há, evidentemente, muito a aprender, mas apenas compartilhar impressões, buscar reflexões e discussões que talvez possam contribuir para o desenvolvimento da advocacia criminal.
Não haverá aqui modelos, soluções ou manuais de instrução. O escopo principal será sempre o de externar impressões, refletir e discutir a respeito de situações verificadas no dia-a-dia do jovem advogado criminalista, também para diminuir as dificuldades daqueles advogados ainda mais jovens, mas sobretudo para que a advocacia criminal brasileira mantenha-se unida nessa luta diária e amarga que se repete a cada amanhecer.

3 comentários:

  1. Parabéns pelo Blog, Dr., Vamos juntos fazer cada vez mais uma advocacia criminal de qualidade.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela iniciativa. Será muito enriquecedor compartilhar experiencias e aprender com tudo isso. Sucesso !!!

    ResponderExcluir